O real - irreal em Os Velhos Marinheiros
BR FCJA J/PP.di / C87r por(BR) 1978


Referência

COSTA, Raquel Arcoverde N. da. O real - irreal em Os Velhos Marinheiros. Orientador: Prof. Juarez da Gama Batista. João Pessoa, 1978. 81 f. Dissertação(Mestrado em Letras)-Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 1978. Possui em anexo o Projeto de Tese datado de 1977.

Tipo

Dissertação

Resumo

A escolha do tema O Real-irreal em os Velhos Marinheiros, de Jorge Amado se deu devido à narrativa moderna. Observou-se que esta apreendia o real em todas as suas possibilidades, havendo, portanto, nela uma verdadeira rebelião contra o realismo horizontal, até então em voga. Daí, portanto este estudo baseia-se na obra de Jorge Amado, verificando nela esse aspecto, evidenciando nas duas histórias que compõe a narrativa de Os Velhos Marinheiros, narrativa importantíssima para a compreensão da nossa moderna ficção, pois o autor apresenta-se como um inovador, criando formas novas, reinventando a realidade, ultrapassando a sua posição de simples narrador, e chegando a se revelar um poeta, no sentido de revelador profundo do humano. O estudo busca ainda compreender melhor a narrativa de Os Velhos Marinheiros; determinar de que modo o autor em questão vê a realidade dos fatos em sua obra, através de uma visão aparente irreal; compara os personagens e as ações nas duas histórias do cais da Bahia, que estão em Os Velhos Marinheiros; verificando como o autor se utiliza de outros elementos na montagem das histórias. Procurando fazer um estudo comparativo entre as duas narrativas, partindo da hipótese de que a narrativa moderna retomou o lugar antigo da poesia como reveladora do real. A parte teórica contém os seguintes itens: a evolução da poética, o conhecimento e o sentido do real; o romance do real; os personagens do romance moderno.

Notas

  • 1. Introdução
  • 1.1. O tema e o corpus
  • 1.2. Metodologia
  • 1.3. Fundamentos teóricos
  • 1.3.1. A evolução da poética. O conhecimento e o sentido real
  • 1.3.2. O romance como processo de conhecimento e, portanto, representação do real
  • 1.3.3. Os personagens do romance moderno
  • 2. DESENVOLVIMENTO
  • 2.1. O real transbordante e fantasia palpável em Os Velhos Marinheiros
  • 2.2. Os personagens como fragmentos da unidade do romance
  • 2.2.1. Quincas Berro Dágua e Vasco Moscoso de Aragão
  • 2.2.2. Quincas Berro Dágua, outro herói
  • 2.3. Outros elementos na construção das duas histórias
  • 2.3.1. A presença do popular
  • 2.3.2. O humor, outro elemento de destaque
  • 3. CONCLUSÃO
  • BIBLIOGRAFIA

Palavras-chave

J/PP.di C87r; J/PP.di; JA; ANÁLISE; OS VELHOS MARINHEIROS; A MORTE E A MORTE DE QUINCAS BERRO DÁGUA; PERSONAGEM; HUMOR