Acervo de documentos


Cacau, vozes e orixás na escrita de Jorge Amado BR FCJA J/PP.e / D182c por(BR) 2013

D'ANGELO, Biagio; SILVA, Márcia Rios et al. (Orgs.). Cacau, vozes e orixás na escrita de Jorge Amado. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2013. 204 p. ISBN 978-85-397-0265-7.

Cacau, vozes e orixás na escrita de Jorge Amado nasce de duas linhas convergentes: por um lado, uma paixão e um entusiasmo pela obra amadiana; por outro, a necessidade de uma homenagem ao autor de Gabriela, cravo e canela que provenha das regiões do sul do Brasil. Trata-se de uma homenagem que, em forma de livro, reúne perspectivas e olhares distintos de pesquisadores de Jorge Amado, em uma proposta que evita a leitura dos clichês com os quais, amiúde, a figura do escritor baiano tem sido erroneamente identificada. Em sua trajetória literária e intelectual, Jorge Amado destrona uma visão elitista de literatura e, mais ainda, retira-a do pedestal das letras no Brasil. Ao fazer usa narrativas migrarem para outras linguagens (quadrinhos, novelas de rádio, cinema, TV), o escritor amplia a recepção de público, incorporando um segmento de leitores e admiradores que se encontra em seus romances.

JORGE Amado de todas as cores BR FCJA J/PP.e / J72 por(BR) 2011

JORGE Amado de todas as cores. Textos por Benedito Veiga et al. Salvador: Fundação Pedro Calmon; Casarão do Verbo, 2011. 112 p. , il. ISBN 978-85-61458-40-9. Textos apresentados no seminário A atualidade de Jorge Amado, Fundação Pedro Calmon, Salvador, BA, 26 a 28 de agosto 2009.

Compilação das conferências, em textos, apresentadas no seminário A atualidade de Jorge Amado, realizado na Fundação Pedro Calmon no ano de 2009.

As cores da revolução BR FCJA J/PP.e / R741c por(BR) 2009

ROSSI, Luiz Gustavo Freitas. As cores da revolução: a literatura de Jorge Amado nos anos 30. São Paulo: Annablume; Fapesp; Unicamp, 2009. 136 p. ISBN 978-85-7419-899-6.

Antropólogo atento ao reprocessamento simbólico das marcas da experiência social, e distante dos juízos de valor com que a crítica literária tratou a obra do escritor baiano, Gustavo traz uma contribuição decisiva para a apreensão renovada de seu universo ficcional. No lugar de reiterar a análise descritiva de imagens ou estereótipos sobre os negros encontrados na obra de Jorge Amado, Gustavo mostra a partir de um trabalho minucioso de pesquisa com fontes históricas, completados pela análise fina dos romances em tela, como a cor dos personagens é um importante marcador de posições. Ao invés de mera coloração da pele, um enegrecimento condicionado pela ocupação das posições mais baixas na hierarquia social. Com um texto ágil e vigoroso As Cores da Revolução arma a trama necessária para situar os desafios literários de Jorge Amado e revirar pelo avesso os romances que publicou nos anos de 1930. Traz, assim uma contribuição inovadora para a reavaliação da importância da obra ficcional do escritor, ao mesmo tempo em que ilumina com novos focos o debate sobre as relações entre brancos e negros no Brasil que, volta e meia, incendeia o nosso pensamento social, sobretudo quando atualizado na chave política e polêmica das cotas raciais.

Ideias penais na obra de Jorge Amado BR FCJA J/PP.e / H122i por(BR) 2009

HABIB, Sérgio. Ideias penais na obra de Jorge Amado: (um novo olhar sobre o universo amadiano). Prólogo por Eugenio Raúl Zaffaroni. Brasília: Consulex, 2012. 424 p. (Memórias do Direito e da História II). ISBN 978-8-88551-76-3.

Não foi esforço algum para o advogado baiano Sérgio Habib reler 25 obras do escritor Jorge Amado. Personagens lendários de romances e contos foram revistos na óptica de um dos principais criminalistas do país. O resultado desta releitura, que durou quatro anos, é o livro "Ideias Penais na obra de Jorge Amado: (um novo olhar sobre o universo amadiano)". Ao folhear as mais de 400 páginas desta obra, os leitores vão poder reviver o universo amadiano – repleto de personagens emblemáticos como jagunços, pistoleiros e coronéis – e ainda analisar aspectos penais presentes na entrelinha dos livros que se tornaram universais.

Colóquio internacional 100 anos de Jorge Amado BR FCJA J/PP.e / S233c por(BR) 2013

SANTOS, Flávio Gonçalves dos; RODRIGUES, Inara de Oliveira; BRICHTA, Laila (Orgs.). Colóquio internacional 100 anos de Jorge Amado: história, literatura e cultura. Ilhéus: Editus, 2013. 272 p. , il. ISBN 978-85-7455-314-6. Textos apresentados no Colóquio Internacional de Jorge Amado: História, Literatura e Cultura, Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), Ilhéus, BA, 24 a 26 de setembro de 2012.

Este livro é o resultado do Colóquio Internacional 100 anos de Jorge Amado: História, Literatura e Cultura, realizado de 24 a 26 de setembro de 2012 na Universidade Santa Cruz em Ilhéus na Bahia. No livro estão reunidos os estudos apresentados e discutidos por pesquisadores, professore e escritores, de diferentes, realidades histórico-culturais, que contribuíram de modo fundamental para o evento. A ordenação dos textos foi definida de acordo com as aproximações temáticas e com o fito de levar o leitor a uma reflexão das conexões e da diversidade de abordagens e interpretações que estimulam tanto o diálogo interdisciplinar – entre história e a literatura, mas também com a comunicação, as artes, as ciências sociais e demais áreas afins em diferentes perspectivas crítico-teóricas – quanto a interlocução com diferentes universos literários e outras formas de linguagem (cinema, teatro, mídias variadas).

BR FCJA J/P / EURO fra 1975

EUROPE: revue littéraire mensuelle. Paris: [s.n.], ano 53, n.553-554, mai./juin. 1975. 272 p.

Fascículo em homenagem ao escritor e diplomata guatemalteco Miguel Angel Asturias.

Miguel Angel, l'indien en exil BR FCJA J/P / EURO fra 1975

AMADO, Jorge. Miguel Angel, l'indien en exil. Europe, Paris, ano 53, n.553-554, p. 55-56, mai./juin. 1975.

Texto de Jorge Amado sobre o escritor Miguel Ángel Asturias.

BR FCJA J/P / EURO fra 1989

EUROPE: revue littéraire mensuelle. Paris: [s.n.], ano 67, n.724-725, août/sept. 1989. 210 p. ISSN 0014-2751.

Fascículo em homenagem ao escritor Jorge Amado.

Jorge Amado e os ritos de baianidade BR FCJA J/PP.e / S223j por(BR) 2008

SANTANA, Marcos Roberto. Jorge Amado e os ritos de baianidade: um estudo em Tenda dos Milagres. Salvador: Aramefá, 2009. v.2. 100 p. , il. (Cadernos da Memória).

O presente trabalho constitui-se, pois, em uma tentativa de elucidação de uma trama literária que foi construída com um mosaico e que propõe ao leitor um contínuo exercício de reflexão sobre a importância das matrizes culturais afro-baianas, ambientadas em um terreno histórico de desigualdade social.

Ventos de verão BR FCJA F/AL.mf / F87ve por(BR) 2016

FRAGA, Myriam. Ventos de verão. Ilustrações por Mendonça Filho. Salvador: Assembléia Legislativa do Estado da Bahia; Casa de Palavras, 2016. 108 p. , il. color. ISBN 978-85-7278-135-0. As ilustrações deste livro são reproduções de quadros de Mendonça Filho.

Inspiradas na ilha de Itaparica, mas precisamente no lugarejo chamado de Mar Grande, as crônicas deste livro foram inicialmente publicadas de forma esparsa na coluna Linha D’Água, que a poetisa assinou, por 20 anos, no jornal baiano A Tarde. A publicação é ilustrada com alguns quadros do premiado artista plástico Mendonça Filho, que foram cuidadosamente fotografados por Robério Braga, neto do pintor. O projeto é fruto de uma coedição entre a Assembleia Legislativa da Bahia, através da assessoria de comunicação e cultura, coordenada e a Casa de Palavras, braço editorial da Fundação Casa de Jorge Amado.


7028 documentos